20/05/2007

Reinterpretando Brecht

É PRECISO AGIR

Primeiro levaram os comunistas
Eu como não era comunista
Caguei bem no assunto

Em seguida lixaram os operários
Mas como eu não era operário
Nem me chateei

Depois prenderam sindicalistas
Como também não sou sindicalista
Continuei a minha vida

Agarraram depois uns padres
O que é que eu tenho a ver com isso?
Eu nem sequer sou religioso.

Agora levam-me a mim
...
Foda-se, agora é tarde

10 comentários:

aminhapele disse...

É isso,Rui.
Acção,em vez de "merdas".
Um abraço.

Jack . disse...

É o que vai acontecer a muita boa gente aqui do burgo.
Um abraço

brit com disse...

Boa reinterpretação... Pode ser que assim alguns entendam melhor. Obrigada pela visita, Rui. Bjs

Kaos disse...

Vim agradecer a visita e as palavras. Quanto a utilizares imagens do meu blog, estás totalmente à vontade. Aquilo ali é sel-service. Tirar e utilizar.
abraço

Carlos a.a. disse...

Muito adequado, estimado Rui! É de uma actualidade impressionante!
Abraço

main mense disse...

Caro Rui...
Essa poesia acompanhou-me ao longo da vida (foi o meu primeiro quadro emoldurado no meu quarto). Gostei da adaptação.
É sempre agradável revivê-la. Um abraço e obrigado por este momento de lucidez.

un dress disse...

pois.

parece que temos que nos chatear.



meSmo...

João Filipe Rodrigues disse...

... nunca é tarde para lutar. Aliás, 30 de Maio temos motivos para isso.

aminhapele disse...

Já agora uma pequena notícia:
O HOMEM VIVO de Brecht é uma das peças em cena no Rio de Janeiro que tem tido a maior adesão do público.
Lá,como cá,as palavras mantêm actualidade.
Um abraço.

sandra disse...

amei