20/05/2007

King Kong versão 2007

"Só neste país..." é uma expressão muito generalizada "neste país", mas acho que o próximo episódio é típico para o meu país nativo, a Holanda. Infelizmente.
Trata-se de um caso de "aapjes treiteren", "chatear macaquinhos" com olhares, palavrões e gestos, também praticados em certos estádios de futebol (no ano passado o "tratamento" do jogador africano Samuel Eto'o por adeptos de Zaragoza foi muito mediático).
Aconteceu no Jardim Zoológico em Roterdão, só que desta vez o "macaquinho" foi o gorila macho Bokito, 180 quílos e 11 anos de idade. Depois de três anos de permanência neste Zoo o Bokito fartou-se das "atenções" de certos visitantes e resolveu reagir. Saltou um fosso de quatro metros de largura (facto inédito para um animal que em geral tem medo de água) e atirou-se a uma mulher que, como se soube depois, o vinha visitar quase todos os dias....
Esta senhora teve bastante menos sorte do que a "namorada" Ann Darrow (a actriz Fay Wray que morreu há pouco tempo com 96 anos de idade) no filme "King Kong" de 1933: ela está agora nos cuidados intensivos com uma mão esmagada, pulso e antebraço partidos e mordeduras pelo corpo todo.
Depois de largar esta infeliz mulher o bicho ainda atropelou um deficiente numa cadeira de rodas e, esmagando uma porta de vidro, entrou num restaurante, onde deixou uma empregada em estado de choque. Afinal um veterinário conseguiu anestesiar o animal com um dardo sedativo.
Parece que o director do Zoo incorre agora numa pena de seis meses de prisão por negligência quanto à segurança, mas para mim é claramente um caso de culpa colectiva.
P.S. Sem querer ser muito sensacionalista: agora mesmo apareceu na net o vídeo de um "encontro" anterior entre Bokito e a mulher agredida, filmado pelo marido.
Segundo funcionários do Zoo, ela dá uma interpretação completamente errada à expressão facial do gorila Bokito: ele não está a responder ao (sor)riso dela, pelo contrário, sente-se ameaçado, pois a senhora não mostra o respeito que uma fémea deve mostrar por ele....
Soube-se que esta senhora Petronella já tinha sido avisada pelos mesmos funcionários para não continuar a desafiar o animal. Soube-se também que crianças atiraram uma chuvada de pedrinhas aos macacos pouco antes da evasão do gorila....
Está tudo explicado.

4 comentários:

rui disse...

isto poderia ter acontecido aqui ao lado, no jardim zoológico.
Resta-nos imaginar como teria sido a versão portuguesa...

Andreia disse...

Os animais não são desprovidos de sentimentos, ao contrário do que muitas bestas que andam cá fora (dos Zoos deste mundo) à solta pensam...

Rini disse...

Sim, Rui, podia acontecer em qualquer lado, mas aconteceu na Holanda! Acho que tem a ver com efeitos psicológicos de saturação, a vida num assim chamado "Wellfare State" (sociedade de bem estar, mas se calhar não tanto...).
A senhora no vídeo está convencida que Bokito quer a atenção dela. No entanto, da conversa percebe-se que quem anda com carências afectivas é ela...
"Aah, espera um bocadinho", "tão querido", "ele não vai atacar?", "não, não, ele só quer atenção, por isso faz assim", "vejam aqueles dentes, ele está a ficar maluco!", "isto não dói o que ele está a fazer?" (bater com os punhos no peito), "não, estes animais são muito fortes", "olha, que giro, ele está a brincar, quer a minha atenção..." (Bokito com língua de fora).
Muito "divertidos" são também os comentários debaixo do vídeo, um auténtico curso intensivo de palavrões em Holandês, sem surpresa.
Gostei do "Bokito for President."

redonda disse...

Que barbaridade. E ver o vídeo depois de saber o que aconteceu depois é estranho.