18/09/2007

Livros que mudam vidas

O Carlos do Ideias Soltas lançou-me um desafio:
Quais os livros que mudaram a minha vida?

À partida achei um desafio simples e interessante, mas rápidamente me senti um bicho raro por não conseguir responder. É que foram muitos os livros que me influenciaram e marcaram, mas não posso dizer que nenhum deles me tenha mudado a vida.
Depois pus-me a fazer o mesmo exercício em relação a uma música, a um filme ou a um espectáculo e cheguei à mesma conclusão. De tantas obras primas que já li, ouvi e vi, nenhuma delas me mudou a vida mas todas elas no seu conjunto me foram mudando (moldando). ´
E no fundo ando sempre à procura de ler, ver ou ouvir algo que me mude a vida.
É precisamente isso que eu gostava de encontrar.

As obras de arte que tenho absorvido têm-me ensinado, emocionado, alimentado a alma e a crença na humanidade, mas continuo esperançosamente à espera de uma que mude a minha vida.

Claro que todos os livros que li, ou deixei a meio, me influenciaram. Mas as coisas que me mudaram realmente a vida não foram aquelas que procurei mas as que me procuraram sem eu pedir. E em todas elas eu fui um interveniente activo e participativo, um elemento que pode alterar o rumo dos acontecimentos.

Deixo, no entanto, o desafio para quem quiser deixar os “seus livros” na caixa de comentários.

9 comentários:

Carlos a.a. disse...

É uma forma de ver e sentir as coisas, caro Rui, mas o que registo é este verdadeiro mistério que nos desperta a curiosidade e nos impele a querer aprender:
(...) as coisas que me mudaram realmente a vida não foram aquelas que procurei mas as que me procuraram sem eu pedir.

Abraço

m.júlia disse...

Concordo com as suas ideias quanto à influência que as várias artes vão tendo nas nossas vidas. É quase certo, que somos um pouco de tudo o que vamos absorvendo ao longo dos anos mas haverá decerto pessoas cuja vida foi modificada por ideias escritas, que fortemente as influenciaram. Em resposta ao seu desafio aqui deixo o nome de um livro que sempre me perturba e comove: "Humus" de Raúl Brandão

pedroludgero disse...

Parece-me que só estás a considerar a "mudança magmática". Mas há mudanças por erosão, por sedimentação, etc., velocidades menos exuberantes mas de maior consistência.

Enfim... depois de ler "Nádia" de Breton fiquei algo vulcânico__

xistosa disse...

Dr. Jivago, de Boris Pasternak.
Li-o em 1957, tinha 11 anos.
Quando acabei, (foi lido em duas noites), chorei convulsivamente.
Quando vi o filme, fiquei mais indiferente, apesar de ter sentido que as imagens eram mais fortes que as palavras. Teria 13/14 anos.

rui disse...

Pois é caro Carlos,
Não consegui corresponder ao seu desafio.

Mas agradeço muito. Fez-me pensar um bom tempo nos livros que li (dos que me lembro). Mas cofesso que não consegui eleger uns entre outros. O factor “ler livros” por si só mdificou a minha vida e isso aconteceu pouco depois de aprender a ler. “Ler” é um alimento essencial à vida. É como respirar ou comer.

um abraço,

rui disse...

Pedro Ludgero,

O paralelismo geológico não porderia ser nais feliz. Sou terra/terra.
Não tendo lido o epicentro "Nádia" fiquei curioso.

avelaneiraflorida disse...

MUDAR VIDAS...os livros n�o me mudaram...mas enriqueceram-me!!!! acompanharam-me, ajudaram a suportar momentos dificeis...

S�o dos meus mais fi�is AMIGOS!!!!!

un dress disse...

a ritmos e de formas diferentes...muitos livros...

uns de chofre outros numa mais lenta erosão...

mas sim os livros foram e são determinantes!!


:)beijOs

Anónimo disse...

Não sei responder e até fico surpreendido com quem faz perguntas assim ou a elas dá resposta! Não saberia viver sem ler e sem ouvir música , sem ver um filme ou uma peça de teatro, exposição.... Se nalguns destes casos o meu problema poderia ter resolução, que não vislumbro , penso que morreria ou matar-me-ia!
Juro pela minha memória na terra!
cordialmente