17/07/2007

Dia de Portugal 2003



Mais uma vez, caro leitor, tenho de recorrer a um texto antigo para produzir um post. O trabalho abunda para a nossa banda Kumpania Algazarra, uma vintena de espectáculos até finais de Agosto (ver agenda no site www.myspace.com/kumpaniaalgazarra ) , o esforço vai ser grande, vou precisar de muitos litros de nectar tinto para lubrificar as charneiras da velha carcaça... Só nas próximas semanas o trajecto vai ser Lisboa - País Basco - Lisboa - Açores (S. Miguel) - Lisboa - Setúbal - Lisboa - Fundão - CCB Lisboa - Açores (Terceira) etc , uma estrela com muitas pontas .... Não sei se vou conseguir manter um relato em posts, como fez o colega Rui em Março durante o seu périplo pela Espanha. Para já há a questão dos horários de trabalho: o do teatro é mais cedo, quando acaba uma peça de teatro, a essa hora um concerto nosso em geral ainda não começou ....e depois da actuação há sempre muita distracção de todo o género.

Este texto veio-me à memória há dias, quando o Rui observou a meu respeito (num comentário ao post sobre Osvaldo Maggi): "Tu também és um cidadão do mundo, mas como bom holandês pagas impostos, segurança social, renda, etc. e ainda vens aqui refilar contra o que está mal no sistema". É uma carta que escrevi ao Presidente da Câmara de Lisboa, na altura Pedro Santana Lopes, depois de ouvir o discurso do 10 de Junho 2003, proferido pelo Presidente da República, Jorge Sampaio.

Dia de Portugal 2003

"No seu discurso do dia 10 de Junho o Presidente da República exortou os Portugueses a exibirem um novo patriotismo, baseado em valores democráticos e em autoconfiança. Este discurso também foi ouvido por imigrantes em Portugal , como eu, holandês, profissional liberal na área da música e do ensino, se calhar não tão patriótico, mas para já com muito gosto de viver aqui. No entanto, os tempos mudaram.... Quando cheguei aqui, Portugal tinha aderido à Comunidade Europeia há pouco tempo: Tratado de Masstricht, todos diferentes, todos iguais, um mar de rosas, ou quase.... Agora, mais de uma década depois, na bicha do supermercado eu já não sou olhado como turista do Norte que vem ajudar a economia nacional em expansão, mas antes como trabalhador de Leste (o meu físico dá para os dois), já um bocadinho mais diferente do que igual, efeitos da crise, mas vá lá, há ainda aqueles novos estádios de futebol por acabar antes do fim do ano.... Agora, quanto a autoconfiança e auto-estima, tenho que confessar uma coisa: ando um bocadinho em baixo, não por falta de patriotismo, mas por causa de salários em atraso. Chamando os devedores pelos nomes: o Teatro Municipal São Luiz (Lisboa) deve-me os cachets de três espectáculos com o conjunto Bigodes Band, realizados em Janeiro 2003 e, pior ainda, a Câmara Municipal de Lisboa está a dever-me três meses de salário, correspondente ao 3º trimestre de 2002, quando trabalhei como educador/monitor desporto no Estabelecimento Prisional de Lisboa. É que estou seriamente preocupado: corro o risco de não poder cumprir os meus deveres legais (patrióticas!?) no que respeita a pagamentos de I.R.S. e Segurança Social! Em relação às minhas necessidades secundárias como habitação, vestuário e alimentação estou mais descansado: os sem-abrigo, esfarrapados e esfomeados ainda não foram proibidos por lei, antes pelo contrário: são cada vez mais aceites como fenómenos colaterais da nossa sociedade globalizada. E claro, no meu caso e em última instância: posso sempre voltar ao meu país de origem. Para acabar num tom mais sério: "patriotismo democrático e autoconfiança" são palavras vãs quando não insistimos também em valores como ética, dignidade ou simples decência nas relações entre as pessoas, a todos os níveis."

Pode ter sido coincidência, mas antes do fim do mês ambos os pagamentos foram feitos pela Câmara....

7 comentários:

rui mota disse...

Mesmo daqui, de Amsterdam, onde me encontro, nao pude deixar de sorrir ao ler a tua carta ao Santana Lopes. Agora percebo porque é que a CML nunca mais pôs as contas em dia: teve de pagar-te a dívida!

Rini disse...

Caro Rui M.,

Isso seria bom, se a dívida da CML a mim tivesse sido somente uma ínfima parte do montante daquele buraco de milhões....
É como em todos os casos de falência: os pequenos credores são sempre os últimos a receber.
Caro Rui, ainda conseguiste ver anteontem o nosso concerto (em parte junto com os Terrakota) no Terreiro do Paço? As condições de palco deixaram um pouco a desejar, mas o ambiente foi muito bom!

Rui Rebelo disse...

Caro Rini,

esta bandeira de portugal é uma partitura do Alexander Scriabin? na sequência do teu post de 29 de Maio?...

Rini Luyks disse...

Bem visto, Rui, também é uma bandeira de largo espectro (lembrando com alguma saudade o nosso consultório musical, hoje às moscas)

Rini disse...

..e sabes que o Karl Heinz Stockhausen esteve hoje na Gulbenkian, infelizmente não consegui ir.

Rui Rebelo disse...

Caríssimo Rini,

As saudades que eu tenho do nosso consultório musical. Temos de o resgatar. Talvez depois do verão (altura em que os passientes escasseiam).

O Stockhausen esteve cá em pessoa? não soube.
É cada vez mais dificil organizar uma agenda de espectáculos a ver.

Na tua vasta digressão, ao passares pelo pais basco, não te esqueças do abraço ao Luis Ra de Amoribeta. e se estiveres violinista Fran Lausen diz-lhe que o espero cá em lisboa para outra jam session.

É cada vez mais dificil organizar uma agenda de espectáculos a ver.

Lord of Erewhon disse...

Portugueses como tu... são dos que eu mais aprecio.

Abraço!

P. S. Lê e perceberás melhor o que quero dizer: http://cronicasdapeste.blogspot.com/2007/04/ptria.html