12/02/2007

Quantos BPM’s (batidas por minuto) ouviste hoje?


Lembrei-me hoje, ao ouvir de seguida o último disco do Pierre Favre (“Fleuve”, edição ECM), que já há muito que não me sentava por mais de dez minutos apenas a ouvir música. Sendo que há muito é para mim uma ou duas semanas. Ouvir música tornou-se um luxo. Tenho tudo em casa para ter experiências auditivas cada vez mais ricas: cerca de 600 CD’s de música de várias épocas, estilos e geografias, um sistema de alta-fidelidade razoável (a mim nunca me enganou, que eu saiba), um sistema profissional de gravação e monitorização, dois auscultadores profissionais de gama média-alta, um leitor de MP3’s (vários pontos abaixo das BASF’s de crómio que eu ouvia no liceu num walkman, mas tão detestável quanto a qualidade do áudio das rádios. Ficamos antigos mas mais refinados. “Ouve isto...”) e mais não sei quantos gadgets de gravação e manipulação de som. E, no entanto, cada vez que consigo ouvir um disco do início ao fim, sem fazer mais nada, assim mesmo, sem revistas de Domingo, tarefas domésticas eternamente adiadas, com o telefone e o computador DESLIGADOS, sinto-me triunfante, como que a roubar minutos a uma agenda alheia, que não escolhi.

E tu… quantos BPM’s ouviste hoje…?

11 comentários:

6 BPM's na escala de Richter disse...

Eu sou um adicto musical. Tenho uma necessidade física de ouvir ou tocar música e sinto o tal síndroma de abstinência quando não ouço ou toco uma boa meia hora de música. Isto traduzido em BPM's depende sempre do andamento, mas rondará em média os 4000.

Não sou rico como o sr. do post, não possuindo portando um grande sistema de som nem tendo possibilidades de arranjar o meu piano ou comprar uma guitarra nova.
Em contrapartida tenho muito mais do que 600 CD's...

Pedro Branco disse...

Pois, Fernando... E quando, mesmo com tempo e a ouvir um disco inteiro temos a cabela a dar voltas e voltas pelos problemas, projectos e sei lá mais o quê? Isso assusta-me mais. A incapacidade de me sentar a ouvir um disco e apenas isso. Sem interferências.

Um abraço.

P.S. Para quando um projecto em conjunto?

Nuno Guronsan disse...

Hoje muito poucos, ainda não há possibilidade de pôr música de fundo em reuniões intermináveis...

Mas ontem à noite no Coliseu, ouvi muitas BPMs e bem fortes...

Palhaço do Xadrez disse...

Eu sempre gostava muito de ouvir rádio, mas desde que pifou o Liquid Cristal Display do meu sistema Philips (made in Índia, só pode ser por causa disto, pois Philips é uma marca holandesa e por isto não devia falhar obviamente...) desde que pifou o LCD dizia eu a indicar as estações e as ondas, fico maluco a zipar para frente e para trás à procura de não sei o que. Palhaço pobre, não tenho dinheiro para um sitema de som mais razoavelzinho.
Paciência...

Palhaço do Xadrez disse...

..SISTEMA de som mais razoavelzinho...

Fernando Mota disse...

Olá a todos. E um agradecimento especial pela paciência dos meus sócios-bloguistas. Agora que os abortos perderam o referendo, que já organizei mais ou menos as minhas actividades para este ano e que até já acordámos, ou não, com um sismito, espero voltar a postar com mais regularidade. (Que verbo horrendo, só mesmo os nossos irmãos do outro lado do oceano para o inventar. Este comentário não pode ser considerado racista dada a inexistência de raças na nossa espécie.)

Um abraço, Pedro! Temos de beber a tal cerveja...

Sr. amigo do Richter, não sou rico, sou é mais amigo do Reich. E do Cage, como os leitores mais atentos deste blog bem saberão.

Amigo do Richter (o virtuoso pianista, não o dos sismos) disse...

eu também sou amigo do Reich e do Cage. Isso dá dinheiro para comprar material de som?

o pagão temente a Deus (pois o seguro morreu de velho) disse...

O sismito deve ser então, na visão dos defensores do "Não", um pequeno aviso de Deus, encomendado pelo Vaticano.
Quer dizer: quando a lei passa no parlamento é melhor começar a fazer as malas!?

INDIGENTE ANDRAJOSO disse...

sou suspeito, pois a minha vida tem (quase)sempre banda sonora.... mas isso não conta

quando estou a desenhar no computador ou no estirador, tenho sempre os fones a separar-me do mundo lá fora

agora, parar sentar e ouvir, salva-me o ipod não tenho dinheiro para mais fidelidades...

rui disse...

Já que os meu colega co-bloguista não responde aos comentários feitos por visitas nos seus posts, resta-me a mim fazer de anfitrião e agradecer os vossos comentários.

Rini disse...

...adivinhar uma vez quem será aquele "pagão temente a Deus"..