14/04/2009

"Menina Júlia" de August Strindberg no Teatro Nacional D. Maria II

Quando o Rui Mendes me convidou para fazer a música deste espectáculo eu estava de malas feitas para a Suécia - nem de propósito - "fui à fonte beber água". Apesar de não ser fã do Strindberg, a minha ida a Estocolmo fez-me reler o autor com neve, frio e toda aquela luz estranha, o que me deu um estimulo muito certeiro para o trabalho. Numa peça que se sustenta pelo trabalho de actor, todos os outros elementos apenas devem estar ao serviço da representação. E penso que é isso que acontece neste espectáculo. Três bons actores em cena (a Beatriz Batarda vai maravilhosamente bem) e um clássico do teatro moderno, são razão mais do que suficiente para passar por eles no Rossio.

MENINA JÚLIA

de August Strindberg | tradução Augusto Sobral | encenação Rui Mendes | cenografia Manuel Amado e Ana Paula Rocha | figurinos Ana Paula Rocha | luz Carlos Gonçalves | música Rui Rebelo | com Beatriz Batarda, Albano Jerónimo e Isabel Abreu | figurantes Ana Gil, Bruno Gonçalves, Nuno Nolasco, Raimundo Cosme, Regina Gaspar e Teresa Athayde | assistência de encenação Maria Arriaga


A agência Lusa hoje dizia assim:

Comédia, tragédia, luta de classes, luta de sexos, tudo está em "Menina Júlia", de Strindberg, um texto clássico da literatura dramática universal que o Teatro Nacional D. Maria II estreia quinta-feira, numa encenação de Rui Mendes.

A escolha desta peça foi ditada pela sua actualidade, que "é a qualidade dos grandes textos", disse Rui Mendes, frisando que o dramaturgo sueco August Strindberg (1849-1912) "é um dos iniciadores de uma coisa a que se veio a chamar o teatro moderno (...), de uma nova forma de escrever teatro".

A actualidade da obra de Strindberg, a par da de Ibsen e Tchekhov, reside, indicou o encenador, no facto de ter rejeitado "a ideia de as personagens serem muito monolíticas, tipificadas", por exemplo, como as de Molière, que "são excelentes, mas são muito monolíticas, não têm altos e baixos".

Nesta peça, as personagens "são muito instáveis", observou: oscilam entre o desejo, recalcamentos e sentimentos de atracção e repulsa, o que desencadeia e alimenta conflitos de poder e humilhações várias, no âmbito de um violento choque de classes sociais e sexos.

A menina Júlia (interpretada por Beatriz Batarda) é a filha de um conde que, pouco depois de anunciar o fim da relação com o noivo, decide não acompanhar o pai numa visita social e passar a noite de S. João na sua propriedade, na companhia dos criados, que festejam, com um baile, a noite mais curta do ano.

Inicia, então, uma relação condenada com o criado de seu pai, João (Albano Jerónimo), que tem, por sua vez, uma relação com a cozinheira da casa, Cristina (Isabel Abreu).

"Esta peça é de 1888, portanto, finais do século XIX, em que as lutas sociais, as lutas pela libertação da mulher, a análise dos comportamentos (com Freud) e da 'alma', chamemos-lhe assim, se intensificam. É uma época de transformações extraordinárias", sustentou o encenador.

Em Portugal, "Menina Júlia" subiu pela primeira vez ao palco em 1960, precisamente no Teatro Nacional D. Maria II, pela Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, com encenação e interpretação de Jacinto Ramos, Lourdes Norberto e Helena Félix.

Quarenta e nove anos depois da estreia em Portugal, esta é a 14ª encenação de "Menina Júlia" e tem por base uma nova tradução da peça, feita por Augusto Sobral.

Por vezes acusado de não fazer encenações muito "arrojadas", Rui Mendes defende-se afirmando que gosta de "deixar o texto fluir" e de que os actores interpretem as respectivas personagens como as sentem, não os contrariando, até porque acha que isso "nunca dá bom resultado".

Com música original e direcção musical de Rui Rebelo e cenografia de Manuel Amado e Ana Paula Rocha, também responsável pelos figurinos da peça, esta "Menina Júlia" estará em cena na sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II até 24 de Maio, de quarta-feira a sábado às 21:30 e domingo às 16:00.

2 comentários:

Lelé Batita disse...

Acabo de escrever um post sobre esta peça que vi ontem á noite e que gostei muito, no meu blog http://peroladecultura.blogspot.com
Se quiser espreitar, pode ler e comentar. Abraços e parabéns pela música.

Anónimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!