01/11/2009

Dia de Todos os Santos: Maria, a coveira de Merufe



Uma mulher com 68 anos é há cinco décadas a coveira de serviço de Merufe, Monção, uma "arte" que pode estar em vias de extinção, já que, afirma, "todos fogem dela como o diabo foge da cruz".

"As pessoas parece que têm medo dos mortos, não sei. Mesmo os homens têm a mania que são muito corajosos mas pelam-se de medo quando têm que abrir uma cova ou pegar numa ossada. Pois olhe, eu tenho medo é dos vivos, não dos mortos", sentencia a coveira de Merufe.
Maria Cerqueira, localmente conhecida por "Maria Coveira", já perdeu a conta às pessoas que enterrou, desde que, há 55 anos, começou a dar os primeiros passos (as primeiras pazadas!?, R.L.) na actividade, como ajudante do pai.
"Depois do meu pai morrer, fiquei eu sozinha com o serviço de coveira. Os meus filhos ainda me ajudavam um bocado, mas o meu marido, das poucas vezes que me acompanhava, ficava sempre em cima, nunca entrava na cova. Fazia-lhe impressão estar ali dentro, não sei porquê", acrescenta.
Autêntica mulher de armas, a "Maria Coveira" pega na sachola, na pá e numa escada e em meio-dia abre uma cova com a sua altura.
Confessa que já apanhou alguns sustos, não por causa das ossadas que encontrou, mas sim pelos deslizamentos de terras, que por várias vezes a cobriram até à cintura.
Hoje, pode levar até 110 euros pela abertura duma cova. "As pessoas acham muito, mas, se é assim tão bom, por que é que são cada vez menos que pegam nisto?", questiona.
No cemitério, Maria Cerqueira "está por tudo": limpa o recinto, abre covas, desenterra e traslada sepulturas, levanta ossadas. E tem sempre solução para os problemas mais intricados que se lhe deparam.
Numa ocasião, teve que ir desenterrar uma urna a uma freguesia vizinha, já que o coveiro que lá havia "não tinha coragem".
"Eu tenho coragem para tudo, os mortos nunca fizeram mal a ninguém. Os vivos sim, os vivos às vezes são levados do diabo", repete.
A "Maria Coveira" diz que não quer mal a ninguém mas não esconde que, se tiver oportunidade, enterrará com um cuidado especial umas certas pessoas que ainda há pouco tempo foram ao seu quintal e lhe roubaram as espigas do milho e um toldo de plástico "com 20 metros" que as cobria.
"A algumas pessoas, até as enterrava vivas, se pudesse", atira.
Em relatos meio a sério, meio a brincar, Maria Cerqueira garante que continuará a enterrar até que as forças lhe faltam.
"Enquanto for eu a enterrar os outros, é bom sinal. O pior vai ser quando forem outros a enterrarem-me a mim", diz. (VCP, Agência Lusa, 31 de Outubro).

No vídeo RTP a Maria Coveira pede um simples retrato seu na sede da Junta de Freguesia.
Caro leitor, eu acho que ela merece uma estátua!

5 comentários:

Anónimo disse...

Não estando relacionado com o caso em refrerência,mas diz respeito á freguesia, porque não feito o prolongamento da estrada que foi feita recentemente de Leiras á capela da Breia, até á Portela de Alvite, uma travessia de muito facilitaria,para já não falar a Santo António á muito reclamadas,as pessoas destas localidades e zonas eram bem melhor servidas quando estas estradas estavan sob a alçada dos Serviços Florestais, que as iam mantendo transitáveis,as Câmaras querem assumir tudo , mas o concelho não é só a sua sede, já vai sendo tempo de olharem mais para as gentes que vivem nos lugares.

Tone Caiadeira disse...

Ao comentador anterior, quero dizer-lhe que aqui ao lado no concelho dos Arcos se passa uma situação idêntica, parece tirada a papel químico,mais concretamente entre as freguesias de Loureda e Sistelo,neste caso, foi reabilitada a estrada que vai até á capela de S. Bráz da Anta,e por aí se ficou, quando com mais uns quilómetros, ficava concluída a ligação ao Sr.do Bonfim e lugar ao da Estrica-Sistelo, que encurtaria uma distância de cerca 15 Km, ou mais para 3 Km, se optar por ir por Lordelo ainda são mais, mas tem sido esta a visão política, seguida pelas pessoas que nós talvez erradamente, elegemos para nos representar e defender os nossos interesses, que parecem mais apostados em fazer obra á porta deles,como na caso da Portela de Alvite onde náo á muito tempo foram investidos milhares de Euros, e segundo consta vai haver mais, nada contra, mas á outras prioridades o resto náo é só paisagem.

Anónimo disse...

Estou de acordo com o que aqui foi dito,pois os habitantes das freguesias de Sistelo e Merufe,Cabreiro e não só, estão mais mal servidas se quiserem ir á Peneda e á Romaria que ai se realiza do que á 40 anos,e muito tempo depois quando então se fazia a travessia por S. Amtónio,neste caso não se parou no tempo, mas recuou-se , pois tem que se utilizar a estrada de Melgaço, como á um século,ou ir a Riba de Mouro que não demora menos tempo.

RUFINA disse...

DE facto é uma triteza, locais que no tempo do Salazar podiam ser porcorridos em viatura ligeira, perfeitamente á vontade, passados quase 40 anos de demoracia é a miséria que se vê,não há dinheiro nem para conservar o que foi construído no tempo em que não havia nem fundos da União Eropeia,agora há isso tudo, mas é para os senhores de sempre,por essa razão os lugares estão cada vez mais lugares fantasma.

Unknown disse...

餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 銀行貸款 信用貸款 個人信貸 房屋貸款 房屋轉增貸 房貸二胎 房屋二胎 銀行二胎 土地貸款 農地貸款 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ